Leonardo Carrato
Leonardo Carrato

Leonardo Carrato

Location
Rio de Janeiro, Brazil

Leonardo Carrato

Mentor Program

Born in Minas Gerais, Brazil, in 1983, Leonardo Carrato threw himself into a photographic journey in 2012 driven by his passion. Leo is based in Rio de Janeiro and works as a photographer and filmmaker.

In 2013 trying to overcome the mainstream media and making information more democratic, he co-founded an independent media collective called Coletivo Carranca. Among the group, he could finally give voice to the deep and organic stories of the streets of Rio de Janeiro. While working as an independent photographer in this horizontal media group, Leo developed the project called “The Uprising,” which is an inside view of the riots that drove millions of people out on the streets of Rio de Janeiro.

In 2014, Leo started the 2-year multimedia project “Article 6” which explores the core of Rio’s social and housing problems documenting the life of hundreds of families living in extreme poverty inside an abandoned public building, a few meters away from the stadium where would hold the Football World Cup finals. Both projects had considerable exposure and have been exhibited all around the country.

?The desire to connect with his continent’s native culture and unfold the hidden history carried Leo to the Amazon. Since 2015, he has been working on a long-term project about a native Bora shaman deep inside the rainforest. Also, to uncover the indigenous community’s search for an identity, Leo is documenting the Brazilian underground memory, its ruins and its scars from a predatory colonization. The intense concern is due to the traces of a colonial past still rooted and perceptible among Brazilian society. With photography, Leo desires to unveil the historical development of his country.

?Currently, Leo is a member of the VII Mentor Program and his work has been published by Der Spiegel, The Wall Street Journal, Bloomberg Businessweek, Il Fatto Quotidiano, Die Ziet and El País.


Nascido em Minas Gerais, Brasil, em 1983, Leonardo Carrato se lançou em uma jornada fotográfica em 2012 movido por sua paixão. Leo mora no Rio de Janeiro e trabalha como fotógrafo e cineasta.

Em 2013, tentando superar a grande mídia e democratizar a informação, ele foi co-fundador um coletivo de mídia independente chamado Coletivo Carranca. No grupo, ele finalmente pôde dar voz às histórias profundas e orgânicas das ruas do Rio de Janeiro. Enquanto trabalhava como fotógrafo independente neste grupo de mídia horizontal, Leo desenvolveu o projeto “The Uprising”, que é uma visão interna dos tumultos que levaram milhões de pessoas às ruas do Rio de Janeiro.

Em 2014, Leo deu início ao projeto multimídia de 2 anos “Artigo 6” que explora o cerne dos problemas sociais e habitacionais do Rio, documentando a vida de centenas de famílias que vivem em extrema pobreza dentro de um prédio público abandonado, a poucos metros do estádio onde iria realizar as finais da Copa do Mundo de futebol. Ambos os projetos tiveram considerável exposição e foram exibidos em todo o país.

O desejo de se conectar com a cultura nativa de seu continente e desvendar sua história oculta levou Leo para a Amazônia. Desde 2015, ele tem trabalhado em um projeto de longo prazo sobre um xamã Bora nas entranhas da floresta tropical. Além disso, para desvendar a busca da comunidade indígena por uma identidade, Leo documenta a memória subterrânea brasileira, suas ruínas e suas cicatrizes de uma predatória colonização. A intensa preocupação se deve aos vestígios de um passado colonial ainda enraizado e perceptível na sociedade brasileira.

Atualmente, Leo é membro do programa de mentoria da agência VII e seu trabalho foi publicado por Der Spiegel, The Wall Street Journal, Bloomberg Businessweek, Il Fatto Quotidiano, Die Ziet e El País.